Startups = Gente Boa

image

https://www.flickr.com/photos/wocintechchat/

Startups significa de forma simples estar em um ambiente com muitos riscos. Problemas vão acontecer, seu plano A vai falhar, imprevistos são o modo padrão, e é ai nesses momentos que times de alta performance vão tomar as decisões corretas e seguir em frente. É ir consciente no caos.

O conceito de Gente Boa

Gente boa é um conceito complexo e varia de lugar pra lugar. Em geral, isso envolve dois aspectos: o perfil técnico e o perfil cultural.

O perfil técnico esta relacionado com as tecnologias/conceitos que a pessoa sabe e em qual nível ela sabe. Além desses pontos, você deve considerar se houve experiência relevante prévia. Depois disso, você pode avaliar de forma relativa ao seu time e ao mercado o quão senior a pessoa é.

Um exemplo: o candidato pode ter 10 anos de experiência em desenvolvimento de software, trabalhando pra uma grande empresa, que isso não significa que ele é senior em uma startup. Provavelmente existem importantes habilidades que ele pode não saber, como: Governança pra desenvolver com confiança e riscos; ou como evoluir de forma gradativa controlando o risco de falha do produto ou um forte crescimento repentino de usuários.

Ou seja, é complexo avaliar senioridade técnica em startups, e eu diria que esse não é o fator mais importante. O fit cultural é bem mais crítico.

Não importa quanto você é bom, o que interessa é quanto você pode contribuir trabalhando em equipe . Pra isso, o fit cultural é essencial.

Nesse contexto, uma startup tem que ter bem claro quais são seus valores e com base nisso ver se o candidato é altamente aderente ou aderente, caso contrário, ela já deve negar na hora.

Por exemplo, na Tripda tínhamos como valores do time tech os seguintes pontos(early stage): Humildade e Confiança; Diversidade; Excelência Técnica; e ROI. Se um cara muito bom não fosse humilde, não entra. Se estivéssemos contratando muita gente igual, não contratávamos outras iguais. Se não víssemos uma busca constante por excelência na carreira, não entra.

Esse fit era mais importante que o perfil técnico, no qual nós podíamos nos adaptar ou mesmo mudar o que procurávamos. Mas o fit cultural é bem mais restritivo.

A Inversão da Necessidade

Quando falamos de contratar os melhores, não é a pessoa que precisa do emprego é a empresa que precisa da pessoa.

Não entender a inversão da necessidade é falhar desde o começo. A seguir listo alguns motivos:

  • Gente boa tem mais de uma opção ou esta empregada;
  • O máximo que pode acontecer com gente boa é ficar algum tempo fora do mercado;
  • O mínimo que vai acontecer pra uma startup é virar o caos, mas o provável é que hajam falhas repetitivas;
  • Startups medíocres ou perdem dinheiro sendo lentas ou contratando muito mais gente do que precisam;
  • Mais gente do que precisam significa muitos especialistas pra uma área ou muitos gerentes pra os projetos;
  • Menos gente boa, mais processos burocráticos.

Hoje há um aparente conformismo por algumas startups estarem perdendo gente pra outros países. Posso afirmar que isso não se deve só ao "sonho do exterior", mas também há um processo de retenção mal concebido e executado. Falta de conhecimento do modelo de startups. Falta de entendimento da inversão da necessidade. Enfim, não terceirizem seus erros.

Gente Boa X Gente Ruim

Isso não se parece com gente rápida x gente lenta. Gente lenta, em geral, faz as mesmas coisas do que gente rápida. Mas gente ruim não colabora pouco, gente ruim atrapalha. Isso também serve pra gente junior em startups early stage.

Quer contratar juniors, crie uma proporção. Por exemplo, a cada 3 bons eu posso contratar um junior. Assim você minimiza o impacto e forma um talento. Não diminua a proporção com o decorrer do tempo, o Netflix recomenda que você aumente a proporção dos melhores.

Gente boa X Gente Inteligente

Gente boa não é gente inteligente. Gente boa tem experiência relevante e conhecimento profundo. Gente inteligente fez uma boa universidade, mas vai levar anos pra aprender profundamente. Empreendedorismo não se ensina, se aprende na prática. Trabalhar com riscos idem.

Então não adianta montar uma equipe vinda das melhores universidades, mas sem experiência relevante. O que mais eu vejo é gente inteligente fazendo besteira em startups.

Gente Boa x Gente Medíocre

Quando falo medíocre, estou usando a palavra em seu sentido original. aqui cito um trecho da apresentação do Netflix .

"Em trabalhos procedurais, gente boa* é duas vezes melhor que gente medíocre.

Em trabalhos criativos/inovadores, gente boa* é 10 vezes melhor que gente medíocre."

*the best = gente boa (tradução livre)

O Custo de Ter os Melhores

No fim custa bastante para atrair os melhores. Não imagine que somente um aspecto entre dinheiro, propósito, ou benefícios vai atrair gente boa. Você realmente vai ter que ter um pacote diferencial pra conseguir competir em um mercado tão concorrido. Caso contrário, meus amigos, a probabilidade de você não estar contratando um cara bom é alta.Quer entender mais sobre isso. Abaixo algumas fontes: