Fim da lista/grupo de usuários PHP Pai d'Égua

image

Muitas vezes as coisas devem morrer pra reviver novamente. Desta forma, se é realmente uma necessidade que deve ser atendida, as coisas surgem mais fortes do que eram.

image

Em Dezembro de 2002 criamos a lista PHP Pai d’Égua, já tinhamos um grupo de desenvolvedores que usavam PHP na UFPA desde 2000 ou antes. Com o crescimento do desenvolvimento web e o exemplo do grupo de usuários Linux Pai d’Égua (que estava mudando toda a comunidade de TI do estado), resolvemos criar uma lista e compartilhar nossas descobertas e problemas.

Fomos um dos primeiros grupos de PHP do Brasil, a lista e o grupo cresceu. Fizemos os primeiros eventos que geraram ótimos resultados. Vários membros se tornaram referência na comunidade PHP, influênciaram a forma de desenvolver software no estado até hoje. Particurlarmente, muito da minha trajetória profissional se deve ao grupo.

Achei o site no web archive do primeiro evento que fizemos. Orçamento zero. E o evento foi muito show. Dezembro de 2013. Até hoje o melhor coffee break de eventos de tecnologia realizado no Brasil ! Tudo com ajuda e dedicação do pessoal do grupo.

image

Evento em 2006 com Leandro Lages. Na plateia de laranja, Michel Pena.

Participamos fortemente na implantação de software livre no estado. Incentivamos o empreendedorismo. Discutimos e trouxemos temas técnicos atuais pra eventos, quando isso ainda era uma realidade distante dentro da maioria das instituições do estado.

Um dos nossos eventos, o PHP Pattern Day, falávamos sobre IA, Design Patterns, Integração com outras linguagens, geração de código, Testes, etc. Trouxemos a academia, pra o debate. Lembro bem do professor Eloi Favero discutindo temas que influenciariam a produção de software de qualidade em várias instituições.

O nosso aprendizado foi totalmente colaborativo. Com o PHP fora das disciplinas na universidade, era muito difícil conseguir usar PHP pra entregar um trabalho acadêmico, mesmo provando que você sabia o conceito por trás da implementação, e que isso era mais importante do que a linguagem dar suporte, por exemplo, à atributos de visibilidade. Era isso que fazia um bom desenvolvedor e não a linguagem.

Foram tempos legais. Tempos de mudanças rápidas.

O pessoal da SOLIS , Univates, foram uma grande inspiração pra gente. Principalmente o Pablo Dall’oglio e o Cesar Brod . Foi sensacional trazê-los pra Belém. Tanto eles quanto outros como: Christian Reis , Guilherme Blanco , Adler Medrado , Renê e Renan Lima , Ricardo Coelho , Manuel Lemos , etc.

Muitas coisas boas, ótimos resultados.

image

Evento em 2007 eu acho. Zend Framework com Renan e Rene Lima. Na foto: Otávio Rodrigues, Rafael Mauro, Renan Lima, eu, Caike, Michel Pena, Gustavo Carvalho, Rene Lima, Leandro Lages, Tiago Charchar e Luiz Leão.

O Porquê

O grupo foi crescendo, mas chegou em um ponto que a coordenação foi ficando cada vez mais concentrada e não havia mais renovação. Tentamos algumas vezes renovar sem resultado.

De forma resumida, eu cito alguns aspectos que na minha visão contribuem pra um enfraquecimento do modelo de grupo de uma tecnologia de SL.

Stack overflow

O Stack overflow é sensacional. Praticamente todos os problemas que você tem estão lá no stack. Desta forma a necessidade de trocar ideias, pedir ajuda, etc. foi ficando menor devido a ferramentas como essa.

Redes Sociais

Muitas das interações e debates são feitos pelo Facebook, Twitter, LinkedIn, etc. Tornando o e-mail secundário pra muitas coisas.

A luta por adoção do software livre

Tecnicamente não há mais justificativa pra não usar SL. Os grandes e melhores serviços de nuvem suportam a maioria das tecnologias abertas. É extremamente difícil concorrer com o modelo de atualização de SL. Só no governo brasileiro ainda temos alguma resistência, e em alguns setores específicos.

image

Penúltimo evento do grupo. Na foto: Inácio, Hugo, Lourival, eu, Rafael, Deuzinei, Luiz Sanches e eu não lembro o nome do último brother.

Nada substitui a interação humana

Os grupos de usuário tem uma grande missão de criar conexões mais fortes do que outras associações e ferramentas. Permitem que as pessoas possam se encontrar, discutir e evoluir. A realização de eventos constantes é fundamental.

Esse pra mim é o principal papel dos grupos atualmente.

image

Último evento do grupo. O III PHP Pattern Day no CESUPA. Palestra do Ricardo Coelho, PHP MA.

Se for importante, o grupo renasce

Não adianta ter um grupo totalmente virtual. Sem eventos e encontros, as outras ferramentas e ações existentes resolvem os problemas de melhor forma.

O importante do grupo são as conexões reais.

Desta forma, sem uma barreira ou qualquer coisa que os atrapalhe, como um grupo virtual antigo, a comunidade atual vai sentir se isso é realmente um problema atual e se for vai achar uma saída pra revolver os problemas, recriando um grupo, fazendo de outra forma, marcando meetups, etc.

Por falar nisso, hoje se tivesse em Belém, eu simplesmente transformaria a lista em um meetup , acho que é mais simples e mais direto pra conseguir o objetivo.

As novas tecnologias e as mudanças nas necessidades e pessoas naturalmente destruiram o modelo antigo, é a destruição criativa . Que agora sem nada em frente novas necessidades façam que a conexão e a comunidade não se perca mais, e sim cresça e traga mais coisas boas pra região.